Você já ouviu falar em computação sem servidores? Esse novo modelo de nuvem está se consolidando com rapidez no mercado por oferecer mais flexibilidade e economia do que serviços já consolidados.

É uma arquitetura em que a execução de códigos é totalmente gerenciada por um provedor em nuvem, ao contrário do método tradicional de desenvolvimento de aplicativos e a instalação direta em servidores.

Se você já utiliza a cloud, mas quer extrair mais dela sem precisar se preocupar com implementação, adequação e ajustes de demanda frequentes, é hora de conhecer o serverless computing.

Nós te explicamos o que é, como funciona e por que você vai conseguir otimizar seu investimento em tecnologia. Vamos lá?

O que é serverless computing?

Se você nunca ouviu o termo, deve estar estranhando a ideia de computação sem servidores. A verdade é que, apesar da nomenclatura, o serverless computing não significa que vamos abandonar (ainda) a necessidade de uma estrutura para manter a operação dentro de uma empresa.

Serverless computing é uma evolução da cloud computing. Na verdade esse tipo de computação ainda requer servidores, e não reflete exatamente o que o próprio nome diz. A nomenclatura computação sem servidor é usada, pois as decisões de gerenciamento e de planejamento da capacidade do servidor são ocultadas do desenvolvedor ou do operador — uma prática muitas vezes chamada também de Backend as a Service.

Isso significa que os desenvolvedores não precisam se preocupar com gerenciamento, provisionamento e manutenção de servidores ao implantar o código. Anteriormente, um desenvolvedor teria que definir a quantidade de capacidade de armazenamento e banco de dados necessária antes da implantação, abrandando todo o processo.

Toda a estrutura que sustenta o negócio é invisível para a empresa, dando a ela a segurança e liberdade para focar seus esforços de TI em estratégia, inovação e entrega.

Essas arquiteturas sem servidor referem-se a aplicativos que dependem significativamente de serviços de terceiros — como Backend ou “BaaS” — ou no código personalizado que é executado em contêineres efêmeros —  “FaaS” (Function as a Service) ou Plataforma de Função como Serviço —, em que o host de fornecedor mais conhecido do que atualmente é AWS Lambda.

Essas arquiteturas eliminam a necessidade do sistema tradicional do servidor “sempre ligado” sentado atrás de um aplicativo. Dependendo das circunstâncias, tais sistemas podem reduzir significativamente o custo operacional e a complexidade das dependências dos fornecedores, além da imaturidade dos serviços de suporte.

Qual a sua relação com cloud computing?

É um modelo de execução de computação em nuvem mais maduro, em que o provedor da nuvem gerencia a alocação de recursos da máquina de forma dinâmica. O servidor passa a ser uma responsabilidade gerenciada pela plataforma. Nos serviços mais oferecidos atualmente, o cliente ainda é responsável por decidir questões estruturais como o número ideal de servidores a serem alugados e realizar ajustes constantes para adequar oferta à demanda.

Com a prática do serverless computing, essa é mais uma camada operacional que deixa de ocupar o tempo da equipe de TI, atribuindo para a rotina apenas questões relevantes ao negócio. Esse é o ponto em que o amadurecimento da tecnologia entra em destaque: ter disponibilidade de recursos de computação sem precisar se preocupar com a sua implementação e manutenção, independentemente do tamanho do negócio e do momento de mercado.

Quais as funções do serverless computing?

Como já dissemos, a função principal da computação sem servidor é tirar dos desenvolvedores o fardo de lidar com questões operacionais secundárias ao negócio. Mas muitas outras qualidades inerentes à cloud computing são otimizados nesse modelo.

Com o serverless computing, por exemplo, é possível aumentar a produtividade de todos os departamentos da empresa com um sistema que se adéqua perfeitamente às necessidades — inclusive oferecer estruturas diferentes para processos dentro da mesma cadeia.

Um exemplo dessa otimização e aumento da produtividade está no trabalho dos próprios desenvolvedores: as unidades de código expostas ao mundo exterior são funções mais simples, o que otimiza a tarefa de desenvolvimento de software backend.

É possível também ter um excelente desempenho de sistema com todas as ferramentas garantidas para desenvolvimento, monitoramento e operação. Em termos gerais, a obrigação de um bom serviço do tipo é oferecer disponibilidade, independentemente do cenário.

Por que investir em serverless computing?

Já discutimos um pouco sobre o que é e como funciona o serverless computing. Mas agora é hora de ir ao que interessa e descobrir como esse novo modelo de computação na nuvem pode ajudar sua empresa na prática. Sabemos que num primeiro momento, a solução está sendo mais difundida fora do Brasil, mas é importante entendermos os principais benefícios e porque investir no serviço:

Reduz custos

O grande segredo para uma TI eficiente em custos é alocar investimentos com otimização de retorno — nem gastar pouco, criando gargalos na produção e entrega para o cliente, nem gastar demais, desperdiçando dinheiro em recursos ociosos.

Com a cloud computing, já era possível ter esse tipo de flexibilidade nos gastos, mas a decisão de oferta e previsão para o futuro ficava por conta do cliente. No serverless computing, essa variação fica por conta do provedor, que tem a capacidade de ajustar com precisão a sua demanda por performance.

Por exemplo: se seu código não estiver em execução, não há cobrança. É esse tipo de vantagem que elimina a necessidade de provisionar recursos com antecedência e traz muito mais economia para a empresa.

O Serverless é a solução mais simples de terceirização. Ele permite que você pague alguém para gerenciar servidores, bancos de dados e até mesmo a lógica do aplicativo que você pode gerenciar de outra forma.

Uma vez que você está usando um serviço definido que muitas outras pessoas também estarão usando, há um feito de economia de escala, em que você paga menos por seu banco de dados gerenciado porque um fornecedor está executando milhares de bancos de dados muito semelhantes. Os custos são reduzidos tanto em relação à infraestrutura quanto às pessoas (operações / desenvolvimento).

É um modelo totalmente flexível

E não é só nos custos que o serverless computing garante flexibilidade ao negócio. Essa própria natureza ajustável dos servidores sem a necessidade de atuação direta do cliente permite uma agilidade muito maior do que a cloud computing para escalar um sistema em um cenário de crescimento acentuado.

A grande sacada desses novos modelos de nuvem é passar o controle de ajuste de desempenho de servidores individuais para unidades de consumo (como quantidade de armazenamento, throughput ou memória).

E como essa responsabilidade não está nas mãos da TI interna, ela pode se preocupar em colocar seus planos de negócio em prática, sem o medo de ter que lidar com a alocação e adequação de novos processos dentro do sistema.

A otimização também está diretamente ligada a economia de custos da FaaS. As otimizações de desempenho que podem ser feitas no código não só aumentarão a velocidade do aplicativo, mas também terão um link direto e imediato para a redução dos custos operacionais, sujeito à granularidade do tarifação do seu fornecedor esquema.

Por exemplo, se cada uma das operações demora atualmente 1 segundo para ser executado e devido a essa flexibilidade você poderá reduzir isso para 200 ms, você verá imediatamente a economia de 80% em custos de computação, sem fazer alterações de infraestrutura.

Diminui o risco de ameaças ao sistema

Tirar o gerenciamento de dentro da empresa é uma forma também de diminuir as brechas de segurança às quais um sistema está exposto no dia a dia.

Bons provedores de serverless computing têm equipes especializadas em segurança que têm um controle maior sobre atualizações, monitoramento de ofensores e planos de contingência que garantam a disponibilidade, já que toda a operação está em apenas um dos lados do sistema.

E já são muitos os casos comprovando que, por melhor que seja sua equipe interna de TI, nenhuma empresa conseguirá o nível de segurança oferecido por um bom provedor de nuvem, com tecnologia e profissionais dedicados a essa função.

Intensifica a sinergia entre setores da empresaestudo

Como os recursos oferecidos pelo serverless computing são adaptáveis de acordo com a produção e operação de cada setor da empresa, fica muito mais fácil criar sinergia entre profissionais de diferentes áreas.

O modelo oferece, ao mesmo tempo, integração entre processos em um sistema único e flexibilidade de ferramentas para que cada tarefa seja realizada da forma mais otimizada possível dentro do contexto de uma cadeia operacional.

É uma vantagem competitiva para o futuro

Por último, investir em serverless computing é uma forma de usar todas essas vantagens citadas para ganhar mais competitividade no futuro. O sucesso em um mercado digital está se voltando para otimização de processos e agilidade de entrega, além da velocidade para se ajustar a novos rumos e aproveitar novas oportunidades.

O serverless computing é a evolução de um modelo que já está consolidado e busca sempre práticas, métodos e tecnologias para facilitar a vida do profissional de TI. Sem se preocupar de vez com gerenciamento e manutenção do sistema, você fica bem mais confortável para planejar e encontrar soluções inovadoras que conquistem seu público.

Se é desse tipo de flexibilidade e confiança que você precisa para processos mais econômicos e eficientes, é hora de começar a pesquisar mais o assunto e encontrar empresas que te indiquem o melhor caminho a seguir.

E se você quer se manter informado sobre as novidades do mundo da TI e como aplicá-las em um negócio com sucesso, assine a nossa newsletter e não perca nossas publicações!

 

 

 

 

 

 

 

Confira também