Você já parou para pensar na quantidade de tecnologias que podem beneficiar as empresas? Existem muitas tendências surgindo a todo o momento e talvez duas das principais sejam Cloud Computing e Blockchain. Já ouviu falar delas?

Neste post, discutiremos esses dois conceitos e falaremos um pouco sobre suas principais atribuições nas empresas. Acompanhe!

Cloud Computing

Cloud Computing, também chamado de computação em nuvem, é um conceito que vem ganhando cada vez mais adeptos. Em vez de um produto físico, é oferecido um serviço em que é possível armazenar e acessar dados de qualquer dispositivo, bastando, para isso, estar conectado à internet.

A ideia é que a computação em nuvem gere um melhor aproveitamento dos investimentos em hardware. Afinal, a parte mais complexa e pesada para processar fica na nuvem — tudo isso com a possibilidade de expandir ou diminuir a capacidade sem mudar de equipamento, bastando solicitar um upgrade no serviço.

A cobrança também costuma seguir essa lógica: a chamada utility computing, que se baseia no uso de recursos que o usuário faz. A maneira como o serviço é implantado também depende das necessidades de quem contrata o serviço. A própria demanda e o número de recursos costumam variar para cada organização, além do tipo de acesso aos recursos para cada colaborador.

Categorias do serviço

Existem três categorias do serviço de nuvem: privada, pública e híbrida. A primeira é feita exclusivamente para uma organização. A infraestrutura pertence a esse único usuário e, consequentemente, ele tem o controle total das aplicações implantadas.

Já uma nuvem pública é uma rede aberta. Tem a possibilidade de ser utilizada por vários usuários. Pelo aspecto técnico, há pouca diferença para a nuvem privada. O maior diferencial está na segurança: a nuvem pública usa uma rede mais vulnerável. Entre os provedores de serviços de nuvem pública, estão Amazon, AWS, Microsoft e Google.

Uma terceira opção é a nuvem híbrida. Como o nome indica, esse serviço é uma composição dos modelos de nuvens públicas e privadas. A nuvem híbrida permite que o usuário tenha recursos de uma nuvem privada aumentados. Isso é feito a partir de uma reserva de recursos em uma nuvem pública.

A ideia é que, com isso, seja possível manter os níveis do serviço, ainda que existam variações nas necessidades da empresa. Hoje, usuários comuns de internet têm à sua disposição serviços que utilizam essa tecnologia, como Dropbox, Google Music, iCloud, Google Docs, entre outros. Esses serviços são de servidor, hospedagem de sites ou e-mail.

Blockchain

Se você chegou até aqui procurando por Cloud Computing e Blockchain, já deve estar curioso a respeito do segundo elemento, certo? Então vamos lá. Você deve ter ouvido falar em Blockchain provavelmente no mesmo contexto em que era abordado o bitcoin. Não à toa: essa tecnologia surgiu simultaneamente à famosa criptomoeda, em 2008.

Esse era o cenário de crise financeira. A bolha imobiliária havia acabado de estourar e, com isso, uma desconfiança pairava no mercado. Mas uma moeda virtual o que é o bitcoin — por si só reforçaria esse receio geral. Aí surge a tecnologia do Blockchain.

Com o Blockchain, o usuário não pode gastar um bitcoin duas vezes ou transferir um valor irreal. Isso é possível porque o Blockchain atua como uma rede de blocos encadeados que, além de seu conteúdo, carregam consigo uma “impressão digital”. Esse encadeamento é uma das chaves para entender a tecnologia.

Os blocos estão agrupados. O primeiro bloco tem sua impressão digital e conteúdo não em si, mas no “colega” à sua frente. E assim por diante. Essa impressão digital que mencionamos é a camada de hash. Essa nada mais é que uma função matemática que pega uma mensagem ou arquivo e gera um código com letras e números. Esse código representa os dados inseridos.

O hash transforma um alto volume de dados em uma pequena quantidade de informações: assim, nasce a “impressão digital” de um bloco. Quando uma informação do conteúdo do bloco muda, o hash também é alterado. Já essa informação presente nos blocos utilizam como linguagem o ledger, ou livro-razão  local em que as transações em bitcoin ficam registradas. Não há como apagá-las.

Rede de negócios

De maneira resumida, podemos definir o Blockchain como uma rede de negócios extremamente segura, em que as pessoas podem transferir itens de valor por meio de um ledger. Cada pessoa que tem bitcoin possui uma cópia desse ledger, que mantém sincronia com os outros. A vantagem do Blockchain é a eliminação de intermediários.

Não existe um banco controlando tudo. A função dessa tecnologia é assegurar a confiança entre as empresas. Por isso, é também chamada de protocolo da confiança. No Blockchain, as transações são públicas, mas as partes sensíveis do ledger, como endereço de uma pessoa,  podem ficar como privadas. Além disso, o risco de fraudes é pequeno, graças ao uso de contratos inteligentes.

Cloud Computing e Blockchain nas empresas

É possível listar uma série de aplicações do Cloud Computing nas empresas. Entre elas, uma maior flexibilização em relação às estratégias da empresa. Serviços de Cloud Computing de qualidade têm a capacidade de ajustar facilmente a sua estrutura de acordo com a necessidade da empresa no momento.

Isso acaba influenciando no custo, que diminui. Não há gasto desnecessário com tempo ocioso para, por exemplo, preparar melhor para picos de operação. Outra aplicabilidade é na otimização de processos. Afinal, com a nuvem, não existe uma mão de obra desnecessária de TI. Ela automatiza a maioria das tarefas simples, como análise, manutenção, backup, entre outras coisas.

Já o Blockchain pode permitir, entre outras vantagens, que uma empresa assegure registros privados descentralizados. O que acontece: em geral, as organizações atribuem a terceiros a tarefa de proteger seu bancos de dados e informações. O que, apesar do cuidado, pode ocasionar em alguma falha, cuja dor de cabeça será maior.

Com o Blockchain, é possível fazer um registro individual criptografado. Só pode acessá-lo quem tiver chave pessoal. Como explicamos, o Blockchain, com seu sistema, exigiria que um hacker tivesse acesso a todas as chaves dos blocos para acessar um desses dados.

Outra vantagem é a possibilidade de acompanhar a procedência de produtos e materiais. Por exemplo: uma montadora pode usar a rede descentralizada para gerenciar fornecedores de peças — o que impediria alguns erros.

Esses são apenas alguns exemplos de aplicações de Cloud Computing e Blockchain nas empresas. Quer continuar acompanhando esse e outros assuntos relacionados à inovação? Siga nosso perfil nas redes sociais: estamos no Facebook, Twitter, Google+ e LinkedIn!