Controlar os custos financeiros na execução de atividades dentro das empresas de TI pode ser um grande desafio, principalmente quando falamos em escalabilidade de serviços. Para que o controle seja efetivo, é necessário compreender as métricas e formas de precificação existentes.

Se sua empresa utiliza AWS, já deve ter percebido que pode parecer um tanto quanto confuso, não é mesmo? Para auxiliar nisso, continue lendo nosso artigo e entenda um pouco melhor sobre as principais métricas de custo da AWS e veja como reduzir e otimizar os gastos.

Por que é fundamental monitorar as métricas de custo da AWS?

Ter um controle preciso dos custos com a AWS, bem como identificar cada parte que gera gastos na plataforma, é essencial para que os responsáveis pelo controle financeiro consigam identificar formas de otimizar os gastos e consiga reduzir aquilo que pode ser desnecessário para a organização, garantindo maior disponibilidade de recursos financeiros para outras questões importantes da empresa de TI.

Quais são os diferentes custos que existem?

Os serviços em nuvem da AWS são escaláveis, ou seja, eles não são pré-fixados, diferentemente do que acontece com a contratação de uma banda de Internet predefinida ou a aquisição de espaço fixo em um servidor. Para muitos gestores, principalmente os mais antigos, há uma certa dificuldade em acompanhar essa mudança na forma de pagar pelos serviços.

A questão é que há diferentes parâmetros para dimensionar o custo das soluções em nuvem. No caso da Amazon AWS, que é o tema desse artigo, há diferentes formas de realizar o cálculo de custo, como veremos a seguir.

Total

É a métrica padrão na Cloudability. Ela representa o custo total ocorrido no preço de tabela pública, sem nenhum preço personalizado aplicado. Ao visualizar as cobranças de instâncias de reserva, ele informará exatamente o que você pagou.

Custo ajustado

É semelhante ao custo total, mas com uma etapa extra: o preço personalizado aplicado. Nesse caso, há regras de precificação especiais que serão apresentadas em cada item cobrado. O custo líquido é, assim, fornecido com esse valor especial.

Custo amortizado

É semelhante ao custo total, com a diferença de como os RI’s são tratados. Como essa métrica amortiza os custos, as cobranças de inscrição poderão aparecer zeradas. Parece estranho, mas é o objetivo dessa métrica. A ideia é alocar todos os custos onde e quando eles são consumidos, em vez de quando você deverá pagar por eles.

Para aqueles que tenham dificuldades, a Amazon Web Services também oferece ao usuário uma calculadora que permite avaliar todos os parâmetros envolvidos para a precificação, incluindo aqueles que exigem alto grau de conhecimento técnico, como número de Elastic IP’s adicionais, volume de transferência de dados, previsão de quantidade de operações de entrada e saída, entre outros.

Como reduzir esses custos?

Todo gestor de TI tem como meta conseguir reduzir os custos internos da empresa sem prejudicar o andamento do trabalho. Por isso, é importante saber quais são as formas de minimizar despesas com o uso de recursos na AWS. Uma das formas que podem ser utilizadas e que poucos gestores sabem disso é o uso das reservas na plataforma (AWS Reserved Instances — Ris). Elas são uma espécie de reserva de recursos e espaço que pode ser utilizado durante um período específico predeterminado.

Diferentemente das modalidades sob demanda, as reservas são uma espécie de pacote fechado, que podem ser utilizadas por um tempo, com um valor fixo. Assim, o valor cobrado diz respeito ao tempo total de uso, não apenas sobre as horas utilizadas. Por mais que, durante a explicação, não pareça tão significativo, a redução no valor final é considerável.

Por exemplo, ao contratar as reservas, a empresa fará um investimento fixo (pode ser entre 1 ou 3 anos, representando um plano de longo prazo). O valor cobrado por hora é reduzido consideravelmente, como uma espécie de agradecimento pela fidelidade a longo prazo traçada. É um acordo mútuo entre as partes. O pacote escolhido pode gerar um desconto de até 75% no valor pago, que pode ser reinvestido em outros aspectos dentro da empresa.

Outra forma de reduzir custos é identificando os gastos ocultos presentes na plataforma, como:

  • data transfer;

  • ELB (Elastic Load Balancing);

  • storage;

  • instâncias inutilizadas.

É importante observar cada um desses pontos e avaliar o que pode estar gerando custos desnecessários e encontrar estratégias para minimizá-los.

Como otimizar esses custos?

Em alguns casos, o uso das reservas como forma de reduzir os custos pode não ser eficiente. Nessas situações, é importante identificar como otimizar os gastos e conseguir fazer o máximo possível com o valor investido na nuvem. A palavra-chave para isso é melhoria contínua de projetos de migração para nuvem. Isso implica em um monitoramento constante de infraestrutura, verificando se a arquitetura desenhada está de acordo com o que foi planejado anteriormente.

Uma forma de otimizar é aproveitar a oferta da Instância AWS Spot. Ela consiste em oferecer capacidade computacional em momentos de baixa demanda, oferecendo descontos consideráveis em comparação com os valores de instâncias EC2 em alta demanda. Assim, há uma otimização dos custos com recursos na nuvem AWS.

Mas não é essa apenas a única forma de otimizar. Também podemos indicar algumas dicas, tais como:

  • avalie o que pode ser melhorado na infraestrutura de migração para nuvem;

  • busque quais são os gargalos ou pontos de baixo rendimento;

  • opte por uma gestão simplificada e integrada;

  • fique atento às boas práticas do mercado e aplique-as em seu negócio;

  • invista em ferramentas que auxiliam na otimização de custos.

Como são os custos da AWS em comparação com a concorrência?

A Amazon Web Service sai na frente dos seus concorrentes (principalmente Google e Microsoft Azure) pela relação custo-benefício de sua plataforma. A Amazon conseguiu construir serviços simples que são robustos e escaláveis ao mesmo tempo, o que auxilia em um preço competitivo.

Além disso, o modelo de precificação se tornou mais atraente do que a das demais empresas do mercado. Se o custo de utilização é menor, o preço por pacote também é reduzido. A precificação é feita por hora de uso de acordo com a cidade na qual o serviço é prestado. Assim, pode ocorrer uma grande variação nos valores pagos.

Já nos concorrentes, os valores não modificam tanto, de forma que hospedar um sistema simples pode sair quase o mesmo valor de um sistema mais robusto. Já na Amazon AWS, pela escalabilidade, o pacote de serviço varia de acordo com o uso. Por isso, a métrica de custo da AWS é uma das principais opções das empresas. Porém, mesmo com essas vantagens, é essencial ficar de olho em como otimizar e reduzir custos no uso da Amazon Web Service.

Agora que você compreende melhor o custo da AWS, que tal compartilhar este conteúdo com sua rede de amigos?