Skip links

Arquiteto em Cloud Computing: Principais habilidades e conhecimentos.

É oficial: a computação em nuvem já se consolidou como uma tecnologia de extrema importância. Empresas de diferentes setores já se renderam a ela — e muitas outras seguem o mesmo caminho diariamente. Com isso, uma profissão tem se destacado nesse cenário: o arquiteto em cloud computing.

A arquitetura em TI desenha sistemas, buscando compreender e acomodar os desejos e as necessidades daqueles que usam a computação e os serviços que ela provê na hora de escolher os sistemas e as redes que vão uni-los.

Numa era em que novas habilidades são descobertas — e requeridas pelas empresas — todos os dias, esse profissional precisa se manter atualizado para encontrar espaço no mercado. Se você quer ser um arquiteto em cloud computing, leia este artigo e conheça quais são as capacidades necessárias para atuar neste segmento.

O que é preciso para se tornar um arquiteto em cloud computing?

O mercado está em busca de profissionais que demonstram competência na área. Quem está disposto a conquistar uma vaga deve ter em mente que é preciso estar em contínua transformação e reciclagem para ser competitivo. Como o conceito abrange várias áreas, a formação é bastante diversificada — e vai ser construída, em geral, pelo próprio profissional. Veja, a seguir, algumas das principais características requeridas do arquiteto em cloud computing:

Ser multidisciplinar

A visão maniqueísta de um mundo dividido entre exatas, humanas e biológicas vem se transformando já há algum tempo. É comum, atualmente, que os empregadores procurem por profissionais multidisciplinares, que sejam capazes de transitar facilmente em diferentes ambientes.

No caso das profissões técnicas — e o arquiteto em cloud computing entra nessa lista —, é essencial que o profissional entenda as tecnologias que a compõem. Paralelamente a elas, porém, a visão de gestão e os conhecimentos de técnicas complementares e de idiomas são vistos como diferenciais.

O arquiteto em cloud computing é responsável pela infraestrutura de nuvem oferecida aos clientes. Mais do que desenhar sistemas ou ambientes de TI, ele escolhe as tecnologias que serão usadas, quais marcas são mais interessantes, como as peças vão ser integradas e, no fim, cuida do que foi construído.

No aspecto da gestão, ele busca entender que tipo de funcionalidade é necessária, que tarefa ela deve fazer, que tipo de vantagem competitiva deve acrescentar ao negócio e assim por diante. Ele avalia as necessidades do negócio e define como implementar a nuvem usando a tecnologia disponível.

Esse profissional, para ser bem-sucedido, deve ser capaz de enxergar a TI como provedora de serviços em vez de um departamento isolado e estanque. Para isso, é preciso que ele tenha visão holística e seja capaz de ver o que há por trás da nuvem.

Ter conhecimento técnico

O arquiteto em computação na nuvem é especialista em uma ou mais áreas de TI — geralmente, tem formação na área de ciência ou engenharia de computação (nos diferentes cursos que as compõem) — e tem um bom entendimento de como as empresas usam TI para diferentes propósitos e aplicações.

Este profissional deve ser capaz de visualizar o que é necessário para um determinado sistema e como será construído a partir da tecnologia existente — mas ele não necessariamente fará o serviço operacional.

É essencial, portanto, que ele tenha uma compreensão holística da tecnologia disponível, bem como sua função e uso corretos. Isso significa saber quais são as ferramentas de gestão e as soluções de segurança para nuvem, entre outros.

Além disso, é fundamental entender onde os Amazon Web Services (AWS) — uma das nuvens mais importantes da atualidade — se encaixam nessa mistura.

Conhecer as melhores práticas

A habilidade de projetar soluções em nuvem ainda tem como base os procedimentos arquitetônicos e métodos antigos. Por esse motivo, o arquiteto em computação na nuvem deve compreendê-los e saber como usá-los para não correr o risco de “reinventar a roda”.

Possuir habilidades pessoais e interpessoais

O arquiteto em computação na nuvem deve ser capaz de interagir bem com sua equipe. Para isso, é importante trabalhar as seguintes habilidades:

  • comunicação: comunicar-se de forma clara, direta e até persuasiva, tanto na escrita como pessoalmente, ajudam a comandar reuniões e se relacionar com diferentes perfis, desde executivos a usuários finais, passando por gerentes e especialistas técnicos;
  • liderança: as habilidades de liderança são muito importantes para que o arquiteto em cloud computing seja capaz de fazer os mais diferentes perfis de clientes acreditarem na sua visão;
  • curiosidade: capacidade de análise e curiosidade insaciável são essenciais para fazer as perguntas certas. Depois, é preciso prestar bastante atenção nas respostas para entender o que o cliente precisa e conseguir desenhar a solução adequada que ofereça desempenho, segurança e integridade;
  • planejamento: saber planejar e ser organizado são as habilidades que vão ajudar o profissional a criar e gerenciar planos de ação para projetos — que podem levar anos para serem completados;
  • gestão estratégica: o profissional deve ser capaz de compreender o que realmente importa para a organização e conseguir transformar tecnologias em vantagem competitiva ou em formas de melhorar a produtividade e, consequentemente, o lucro.

Manter a mente aberta

Quando se trabalha com uma tecnologia tão nova como é a computação em nuvem, é natural que sejam necessários testes para encontrar a melhor solução. O profissional deve, portanto, ter a mente aberta em relação ao uso da tecnologia para ser capaz de encontrar a melhor solução.

Compreender o negócio

As melhores soluções de computação em nuvem são as que atendem diretamente às necessidades do negócio. Para encontrá-las, o profissional deve compreendê-lo — e não vale ficar preso a uma tecnologia e tentar adaptá-la à necessidade; é realmente necessário encontrar a solução correta.

Estar disposto ao estudo constante

Entender profundamente a computação em nuvem é uma obrigação deste profissional. Além disso, é essencial conhecer conceitos como virtualização, infraestrutura de rede, armazenamento físico e virtual, backup e tecnologias de recuperação, estratégias para desastres e continuidade de negócios, entre outros.

Certificações

Existem muitas certificações no mercado para quem quer se tornar um arquiteto em cloud computing. Conheça as mais importantes:

Cloud Open Exam (COE)

É a única gratuita e requer apenas conhecimentos básicos sobre computação em nuvem.

EXIN Cloud Computing Foundation

Boa escolha como primeira certificação, é destinada a quem tem interesse no uso e no gerenciamento de serviços baseados na nuvem.

CompTIA Cloud Essentials e Cloud+

A Cloud Essentials tem como foco aspectos comerciais e técnicos da nuvem, enquanto a Cloud+ está relacionada ao ambiente de rede e infraestrutura.

Certificate of Cloud Security Knowledge

Pioneira das certificações para a computação em nuvem, abrange tópicos como arquitetura, governança, auditoria, gerenciamento de informações e segurança de dados.

AWS Certified Solutions Architect

Essa certificação é específica para quem tem habilidades e conhecimentos técnicos sobre a infraestrutura AWS.

Certified Information Systems Security Professional (CISSP)

Uma das certificações mais valorizadas no mercado, a Certified Information Systems Security Professional tem conteúdo neutro que engloba segurança digital, cloud, mobilidade e gestão de riscos.

Em outras palavras, o arquiteto em computação na nuvem deve ser flexível, aprender de forma rápida e fácil e se preparar para a função investindo em uma gama de habilidades técnicas e pessoais.

Gostou de saber mais sobre o arquiteto em cloud computing? Já se sente preparado para investir na profissão? Deixe um comentário contando sua experiência ou expondo sua dúvida!

Leave a comment