Como saber se a estrutura em nuvem está segura? Para evitar vazamento de dados ou reduzir prejuízos com a perda, percebe-se o quanto as empresas devem ficar atentas ao monitoramento da nuvem.

Se você acredita que, para monitorar a infraestrutura, basta conhecer as ferramentas básicas de rede, está enganado. O campo abordado é bastante amplo e, entre as suas funcionalidades, podemos citar como exemplo:

  • detectar falhas relacionadas ao sistema operacional ou à virtualização;

  • problemas no fluxo de dados ou programas;

  • problemas no design de rede.

Dessa forma, ao realizar as práticas, a equipe de suporte em TI pode obter relatórios com a finalidade de melhorar a tomada de decisão, seja para aperfeiçoamentos do processo, seja para solucionar falhas críticas.

Sabemos o quanto é fundamental a empresa manter os seus dados seguros. Apesar de parecer óbvio, o ataque cibernético causado em 2017 mostra outra realidade, na qual dezenas de milhares de computadores foram infectados, inclusive no Brasil.

Com o avanço tecnológico, os criminosos virtuais procuram, a cada dia, aperfeiçoar as suas práticas de invasão. Por esse motivo, até mesmo os cuidados mais básicos, como proibir o acesso a links suspeitos, já não são mais suficientes para evitar um ataque hacker.

Para evitar problemas, mostramos, abaixo, algumas práticas para monitorar, de forma eficiente, a nuvem. Acompanhe!

Detecte falhas em tempo real

Para manter o andamento da empresa, é natural que algumas atividades precisem estar ativas durante 24 horas. O problema é que, a qualquer momento, o sistema pode apresentar alguma falha e abrir oportunidades para que pessoas mal-intencionadas entrem em ação.

Por esse motivo, você deve contar com sistemas que notifiquem incidentes a qualquer momento do dia. Ao criarem rotinas, os profissionais de TI podem antecipar e corrigir complicações que venham a surgir.

Invista na segurança

Por ser uma tecnologia recente, alguns empreendedores podem ter o receio de utilizar a tecnologia na nuvem. O processo, no entanto, tem se mostrado bastante seguro e eficiente, desde que seja contratado por uma empresa séria.

Porém, como qualquer recurso tecnológico (inclusive os mais antigos), para manter o ambiente protegido, é necessário investir em segurança. Para que a troca de informações entre os dispositivos seja segura, utilize a criptografia.

A criptografia, de forma resumida, é uma proteção criada por um algoritmo que impossibilita a leitura imediata de dados, permitindo que apenas as pessoas autorizadas ou proprietárias consigam decifrar as informações em trânsito. Por isso, considere um protocolo de segurança HTTPS na comunicação de dados.

Outro ponto a se observar tem relação com a perda de informações. Seja por uma falha no sistema, seja por um ataque hacker, é fato que o que está armazenado em nuvem pode ser comprometido.

Uma forma de contornar a situação é contando com backups automáticos dos servidores. Desse modo, mesmo que os dados importantes sejam perdidos, o prejuízo pode ser reduzido, caso haja uma cópia de segurança.

Atente aos pontos críticos

Para manter a segurança da companhia, é preciso definir as áreas estratégicas que deverão ser monitoradas frequentemente — entre elas, podemos citar:

  • software e hardware: o foco deve ser em sistemas operacionais e servidores. Entre as atividades, deve medir: tempo de resposta, performance, disponibilidade e versões instaladas;

  • banco de dados: por conter informações da empresa, é necessário haver uma disponibilidade constante. Caso esteja indisponível ou não tenha um backup, a empresa pode sofrer prejuízos financeiros;

  • infraestrutura da rede: responsável pelas operações, a equipe de suporte deve ter em mãos o desenho da rede. Assim, caso haja algum problema, saberá em quais pontos deverá atuar com prioridade, como: roteadores, switches e links de Internet.

Crie uma Política de Segurança da Informação

Um dos princípios para manter os dados do empreendimento seguros é recomendar que os colaboradores façam o básico: não acessar links suspeitos, não conectar dispositivos pessoais nas máquinas da empresa ou abrir e-mails suspeitos na caixa de entrada.

A questão é que nem sempre a mensagem é efetiva e, assim, as recomendações são ignoradas pelos funcionários. Por esse motivo, adotar e manter uma Política de Segurança pode reduzir o número de incidentes. Mas como é feito o processo?

A melhor forma de mostrar é educar os usuários. Ao ensinar boas práticas de segurança (como citadas acima), explicar os seus riscos e as responsabilidades que eles têm, você os manterá conscientes dos problemas que poderão causar, caso não respeitem as regras.

Para apoiar o processo, a empresa deve treinar a equipe de suporte para manter o ambiente de trabalho seguro e estável.

Controle o fluxo de dados

Durante o expediente de trabalho, há uma grande movimentação entre servidores e as máquinas da companhia. Dependendo da área de atuação, os profissionais podem acessar livremente a Internet, seja para buscar alguma informação, seja para atender clientes. Assim, o usuário terá mais chances de encontrar algum arquivo infectado. Ao utilizar um bom firewall, os computadores estarão mais seguros contra ameaças mais simples.

Outro ponto a se observar tem relação com a autenticação dos computadores. Algumas máquinas, por conterem informações confidenciais, devem ser utilizadas apenas por profissionais autorizados, dessa forma, uma boa prática para evitar problemas é não compartilhar os dados de login para outros colaboradores.

Verifique os fornecedores

Ao contratar um provedor de nuvem, o gestor deve estar atento à reputação da empresa a ser contratada. Além dos serviços prestados, você deve observar quais os tipos de segurança utilizados, como o processo de backup é feito e quais protocolos de recuperação são empregados, caso os arquivos sejam perdidos.

As soluções em nuvem têm mostrado que a tendência é a migração para a nova plataforma. Apesar de a ideia ser diferente e causar desconfiança nas pessoas, o processo é seguro e eficiente.

Para garantir que os dados não sejam comprometidos, o gestor deve ficar atento às melhores práticas de monitoramento da nuvem citadas no artigo. Os processos mais simples, como investir em criptografia, ficar atento à infraestrutura da companhia ou utilizar as rotinas de backups, permitem que você fique mais tranquilo ao empregar a nova tecnologia.

O que você achou das práticas citadas? Pretende inclui-las em sua empresa? Para saber mais sobre o monitoramento em nuvem, veja o artigo que preparamos sobre o assunto!