Desde que é lançado, um programa deve ser facilmente identificado por meio de sua versão. Apesar de parecer algo corriqueiro, são poucos aqueles que param para refletir sobre a importância de uma metodologia sólida de versionamento de software.

Sua função ultrapassa a mera classificação numérica que afeta diretamente a proteção do código-fonte de um software, pois também diz respeito à segurança de toda a gestão de tecnologia da informação de uma empresa. Para gerir tarefas de desenvolvimento de softwares, é preciso atentar às ferramentas de controle e organização, pois são elas que determinam a diferença entre o sucesso e o fracasso do projeto.

A seguir, vamos conhecer mais sobre as principais características do processo, como sua importância, os benefícios e a melhor forma de realizar o controle de versão em um sistema. Acompanhe!

O que é o versionamento de software?

Podemos definir o versionamento como uma metodologia de classificação adotada por programadores com o intuito de controlar e acompanhar o histórico de alterações em um software. Esse sistema permite distinguir as mudanças realizadas, facilitando a identificação de cada uma delas.

Mas o processo de controle vai além e atinge inclusive os usuários finais do programa, pois permite que sejam capazes de reconhecer a versão mais atual de um sistema e as novidades apresentadas por ele

A implementação constante de upgrades, durante ou após o processo de desenvolvimento, demanda um monitoramento constante, pois todas essas atualizações afetam a performance do programa. É justamente sobre esse controle que trata o versionamento.

Do ponto de vista prático, geralmente o versionamento utiliza controles numéricos que podem ser um conjunto deles ou apenas um, com o objetivo de catalogar a versão atual de determinado arquivo, software ou hardware. À medida que novas atualizações são disponibilizadas aos usuários, essa numeração evolui, como um forma de indicar as alterações.

Esse modo de controle possibilita que qualquer pessoa tenha referências para poder compreender a evolução daquele programa ou dispositivo. Basta identificar qual versão roda atualmente em seu smartphone ou computador e, em seguida, compará-la à mais atual disponível no mercado. Caso tenha interesse, poderá seguir com a atualização do sistema (update) para a versão mais recente.

Erros mais comuns

Como vimos, não é incomum encontrarmos profissionais da área de TI que falham ao atentar para um processo de versionamento adequado. Eles acabam atribuindo a seus sistemas numerações vagas, poucos consistentes, que demonstram falta de parâmetros mais fundamentados em suas escolhas.

Não dar a devida atenção ao versionamento pode provocar graves falhas nas operações, principalmente em organizações maiores, que apresentam estruturas e projetos mais complexos. Como resultado, são geradas brechas de segurança e há exposição demasiada ao risco, o que compromete a qualidade do trabalho e a confiança no sistema.

É preciso entender que o versionamento não diz respeito apenas a uma classificação numérica. Trata-se de uma ferramenta de controle, uma metodologia que permite gerir atualizações ou correções e planejar intervenções futuras, tornando o trabalho do desenvolvedor cada vez mais prático, eficiente e fidedigno.

Quais são os benefícios do versionamento de software?

Um versionamento adequado permite a otimização do processo de desenvolvimento e incrementa a segurança da informação dentro de uma empresa. Além desses benefícios, elencamos alguns outros muito importantes abaixo. Confira!

Análise de ameaças

Em uma realidade marcada pela interconectividade e por organizações globais, as ameaças à segurança dos sistemas responsáveis por essas conexões têm o potencial de gerar grandes prejuízos. Como se não bastasse, elas se renovam e ressurgem a cada dia.

O processo de versionamento permite a proteção do código-fonte do sistema. Já o sequenciamento lógico das atualizações serve como registro histórico para a análise dos erros e ataques sofridos, o que possibilita também a reformulação dos sistemas para versões mais robustas.

Reparação de bugs

O controle de versão fornece ao desenvolvedor o acesso total à codificação realizada em determinado programa ao longo do tempo. Essa facilidade favorece um alto grau de qualidade do trabalho realizado pelos programadores, uma vez que todo o trabalho pode ser revisto, alterado e corrigido.

Caso alguma atualização não seja bem recebida pelo mercado ou provoque algum tipo de insatisfação, é possível também regredir à versão anterior ao seu lançamento. Essa versatilidade no manuseio do software só é permitida devido ao versionamento.

Alterações de arquitetura

Devido à velocidade com que a tecnologia evolui, muitas alterações precisam ser implementadas nas mais diferentes etapas de desenvolvimento  principalmente após a entrega do software. Essas alterações implicam necessariamente em novos códigos que podem provocar grandes alterações de arquitetura do programa, levando à formação de uma nova versão.

Graças ao versionamento, é possível acompanhar tal evolução de maneira muito mais fácil e prática no que diz respeito tanto aos controles internos dos profissionais desenvolvedores quanto ao reconhecimento das alterações por parte do usuário final.

Potencialização do trabalho colaborativo

O trabalho em equipe e a colaboração entre os times representam enormes vantagens para o desempenho organizacional. Porém, quando falamos dos sistemas de informação, o uso simultâneo de softwares compartilhados pode levar a erros provocados por falha humana.

Por meio de um processo de versionamento, é possível reconhecer facilmente qualquer alteração nos programas utilizados, tornando o trabalho em conjunto mais produtivo e sem riscos à segurança da informação.

Upgrades estéticos

Sistemas da informação surgem diante da necessidade de facilitar o trabalho humano, tornando-o mais eficiente e eficaz. Com esse objetivo em mente, os softwares e dispositivos mais recentes têm buscado aprimorar a experiência de uso para algo mais intuitivo e de fácil manuseio.

Buscando um aprimoramento, melhorias são adotadas com layouts responsivos, ao passo que designs mais atrativos, cores, botões e imagens chamativas provocam alterações significativas de códigos. Sem um sistema de controle de versão, a atividade de acompanhamento em cada uma dessas alterações se torna muito complicada.

Como realizar um controle de versão do software?

Em última análise, o versionamento é estabelecido pelo próprio profissional responsável pelo desenvolvimento. Não existem fórmulas predefinidas de adoção obrigatória: é necessário construir um sistema bem embasado, de fácil compreensão, que represente a essência daquilo proposto pelo software  e o acompanhe ao longo do seu ciclo de vida.

Depois de definidos os fundamentos, é preciso criar uma hierarquia numérica que identifique as evoluções apresentadas no histórico do sistema. Esses números geralmente são definidos em ordem crescente e compostos por um conjunto de algarismos, sendo os primeiros aqueles que identificam mudanças mais abruptas e importantes no software. Já os subsequentes são utilizados para alterações mais pontuais ou menos relevantes.

Além do sistema numérico, existem opções de versionamento que levam em conta caracteres como letras, datas (Windows 95, 98) ou outras codificações aleatórias específicas (Windows Vista, XP).

Como podemos observar, o versionamento de software se trata de uma atividade que fundamentalmente se preocupa com a segurança da informação. É utilizada uma metodologia de controle constante que possibilita às pessoas e organizações muitas facilidades diárias, ganho de produtividade, agilização de processos e praticidade.

Até aqui, você pôde entender o que é e qual a importância do processo de versionamento de software. Sua empresa já adota um sistema de controle? Ficou interessado no assunto ou ainda tem alguma dúvida? Deixe seu comentário no post e enriqueça essa discussão!